Oração

EU DEVOREI TUAS PALAVRAS

Domingo 23-08-2020

OLHAR

Encare hoje as pessoas com este olhar: Por que nos reunimos todos os domingos? Para atestar que também para nós Cristo é o Filho de Deus vivo. O domingo é o dia de Cristo Senhor, por nós morto e ressuscitado; e a Missa representa e perpetua sobre o altar o seu sacrifício redentor.

ORAÇÃO

Eu te dou graças, Senhor, de todo coração: pois ouvistes as palavras da minha boca. Vou cantar par ti diante dos anjos. (Sl138(137,1).

CONVICÇÃO

Aos discípulos Jesus dirige uma pergunta que também agora, depois de vinte séculos, poderia dirigir a nós: “Que diz o povo a respeitode quem seja o Filho do Home?” Os discípulos entãoreferiam as diversas concepções correntes a respeito da pessoa de Jesus: talvez nós possamos fazer o mesmo. Mas não é isso o que interessa a Jesus. Isso foi apenas um encaminhamento de diálogo. Jesus quer saber dos discípulos e de nós o que pensam eles, o que pensamos nós a respeito do Mestre. A resposta de Pedro é um ato de fé no Filho de Deus, enviado pelo Pai: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vico”.

TU ÉS O CRISTO!

E a nossa resposta? A nossa resposta implícita; porque a participaçãoconsciente e vital na liturgia se identifica aom a profissão de Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Hoje se discute tanto sobre a pessoa de Cristo, sobre a sua identidade, sobre a problemática da sua mensagem, sobre o que Cristo significa para o homem de hoje. Pretende-se captar os delineamentos precisos da sua personalidade, para interpretá-la, ouvi-la e seguir os seus apelos provocadores paro o homem do nosso tempo. Mas sabemos que há um lugar e um momento em que Cristo pode ser conhecido, no qual pode e deve prorromper também dos nossos lábios a profissão de fé de Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.” O lugar é a Igreja, e o momento é a celebração litúrgica.