Biblioteca

ESCRITOS DO FUNDADOR

CREIO NO AMOR

 Minha filha, o amor é mais importante que a vida! Se você até agora não foi feliz, é porque você não deixava o amor crescer em você. Se você agora começa a sentir-se feliz, é porque você está deixando a amor crescer em você. Se você não se sente feliz, é porque você não crê no amor com o qual Cristo a ama, amor inefável, infinitamente fiel, o único capaz de encher sua vida. Crer em Deus outra coisa não é senão crer no Amor, porque Deus é Amor. De muitas maneiras e repetidas vezes, Deus falou a você do seu amor. A Bíblia inteira é uma Carta de Amor que Deus escreve a você. Nessa carta de amor, há três declarações centrais: 1ª.  Eu te amo; 2ª. Eu te conheço pelo nome; 3ª. Vem para as núpcias.

 

A CARTA DE AMOR QUE DEUS ESCREVEU PARA VOCÊ

Você não imagina quantas vezes você encontra na Escritura essa palavra que Deus diz a você: “Eu te amo!” Recordemos essa passagem: “Por um momento, diz Deus, por breve espaço de tempo eu te abandonei, mas agora te congregarei com grande amor… Agora, ainda que os montes sejam abalados e tremam as colinas, minha afeição não se apartará de ti, e a aliança de minha paz não se mudará” (Is 54,7-10). Em outro lugar da Escritura Deus evoca uma impossibilidade psicológica para dizer da infinita ternura com que ama você: “Por ventura pode uma mãe esquecer-se de seu filho? Porém, ainda que ela se esquecesse dele, eu não me esquecerei de você”.

Segundo outra passagem da Escritura, antigamente, certos adoradores do verdadeiro Deus escreviam na palma da mão o nome de Javé, para mostrar esse desejo de tatear o nome de seu Deus, testemunhando com isso uma adesão à divindade, um apego à divindade. No Oriente havia um costume muito sugestivo: o noivo escrevia na palma da mão o nome de sua noiva para jamais esquecê-la, e vice-versa. Deus também, diz a escritura, escreve na palma da mão dele o seu nome, para jamais se esquecer de você.

Outra expressão bíblica que fala a você do amor com que Deus ama você é a expressão “chamar pelo nome”. “Eu te chamo pelo nome”. Essa expressão “Chamar ou conhecer pelo nome”, na Bíblia, significa que o amor com o qual Deus ama você não é um amor coletivo, global, mas significa que ele ama você pessoalmente, como se você fosse a única criatura amada por ele no mundo. O amor que Deus tem por você comporta uma nota estritamente reservada, particular, incomunicável. Para você Deus tem um segredo especial, ciosamente guardado. Você conhece as passagens do Evangelho nas quais Cristo se diz “Bom Pastor”, e que chama a cada uma de suas ovelhas “pelo nome” e não por um número. A cada um de nós Cristo dá um “nome novo”, um nome inédito. Não dá um nome velho, um nome usado, como esses que os homens costumam dar, mas um nome absolutamente novo, um nome que ninguém teve no passado, e que ninguém mais terá no futuro. Um nome secreto conhecido só por Deus e por aquele que o receber:  “Ao  vencedor  eu  darei do maná escondido, e lhe darei uma pedrinha branca, que traz escrito

um nome novo” (Is 62,2; 65,15), que ninguém conhece senão aquele que o recebe ( Apoc 2,17).

A pedra branca simboliza a vitória, a alegria da admissão no Reino. A Bíblia fala assim porque antigamente as votações eram feitas com pedras de mosaico: as pedras brancas eram votos positivos e as pedras pretas, votos negativos. Se o seu nome está escrito numa pedra branca, e se é conhecido só por você e por Cristo, isso é maneira bíblica de falar da intimidade reservada a da união que deve existir entre você e ele.

Finalmente, uma terceira expressão que a Bíblia usa para falar da ternura de Deus por você é esta: “Vem para as núpcias”. O tema nupcial invade toda a criação, a Bíblia e a Liturgia da Igreja. Toda a natureza está dominada pela polaridade dos dois sexos. A Bíblia sempre evoca a união de Deus com você sob a imagem do amor nupcial. Porque o amor de dois jovens é uma coisa tão facilmente compreensível. Há nele uma alegria que contagia a todos. No dia do casamento dos dois, mesmo as crianças se deixam contagiar por essa alegria. Pois bem, São João no Apocalipse diz que o amor de dois jovens enamorados é apenas uma pálida imagem do amor que Deus tem por você. As verdadeiras núpcias, diz São João (Apoc 19,7-9) não são as que se celebram na terra, mas as que se celebram no Reino, as núpcias do Cordeiro!

Frei Eurico de Mello OFMCap.

Do Livro “Treinamento de Iniciação Franciscana”.